Meteorologia

  • 25 ABRIL 2019
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

Ciclo Desobedoc volta com cinema para "pensar o mundo" e o fascismo

O ciclo de cinema Desobedoc volta ao Porto entre 25 e 28 de abril estreando em Portugal "O Silêncio dos Outros", um documentário "sobre a memória e amnésia relativamente aos crimes do franquismo", explicou à Lusa a organização.

Ciclo Desobedoc volta com cinema para "pensar o mundo" e o fascismo
Notícias ao Minuto

11:31 - 12/04/19 por Lusa

Cultura Porto

"Numa Europa e num mundo onde vemos o autoritarismo a ressurgir, a memória é um instrumento para não permitir que o passado da ditadura e do fascismo se repita", observou José Soeiro, deputado e dirigente nacional do Bloco de Esquerda, partido responsável pela iniciativa que este ano decorre no Círculo Católico Operário do Porto e que apenas em 2018 não se realizou nesta cidade.

O feminismo, o tempo do aborto clandestino em Portugal, histórias sobre um Porto escondido e uma viagem à libertação dos últimos presos políticos a serem libertados após o 25 de Abril de 1974 são alguns dos temas que também vão passar pela 5.ª edição do Desobedoc, para "mostrar que o cinema pode colocar o dedo na ferida" e ajudar "a pensar o mundo".

Para dia 25, às 21h30, está marcada a estreia de 'O Silêncio dos Outros', documentário de Almudena Carracedo e Robert Bahar, vencedor do Prémio Goya 2019 de melhor longa-metragem documental, que mostra a luta das vítimas dos 40 anos da ditadura de Franco em Espanha.

No dia seguinte há nova estreia nacional, pelas 22h00, com 'Gaza', de Andrew McConnell e Garry Keane.

Antes disso, às 18h00, apresenta-se 'Museu da Vergonha', de Luís Monteiro e José Castro, que aborda a "luta pela transformação das antigas instalações da PIDE no Porto num espaço de memória da luta contra o fascismo", descreve José Soeiro.

No dia 26, exibe-se ainda 'Feminismo: Nem Um Passo Atrás' sobre o GAMP - Grupo Autónomo de Mulheres do Porto, "provavelmente o primeiro coletivo do feminismo anticapitalista em Portugal", 'Work In Progress', de Melanie Pereira, sobre a greve feminista de 8 de março, e 'A Resposta das Mulheres', de Agnes Vàrda, cineasta francesa recentemente falecida.

A isto soma-se, às 21h00, 'O Aborto Não é Crime', de 1976, que levou a sua autora, Maria Antónia Palla, a tribunal.

"Foi julgada já em democracia. É uma prova de que o cinema muda o mundo e é uma arma, que pode incomodar e colocar o dedo na ferida", observa José Soeiro.

A 27 de abril, a estreia é de 'J'Veux Du Soleil', de Gilles Perret e François Ruffin, sobre o movimento dos coletes amarelos em França, ao passo que as curtas-metragens abordam "várias realidades de um Porto remetido para a invisibilidade", descreve Soeiro.

Neste "Porto escondido" estão 'Christian', de Luís Nuno Baldaque, e 'Rompendo Os Muros da Prisão', de Luísa Pinto, que reúne "oito reclusos dos dois estabelecimentos prisionais de Santa Cruz do Bispo, ala feminina e masculina, com cinco atores profissionais e dois músicos".

O bairro do Aleixo, no Porto, é abordado em 'Russa', nome do documentário de João Salaviza e Ricardo Alves Jr., mas também de uma ex-moradora do conjunto habitacional que ali regressa para visitar a irmã e os amigos.

O Desobedoc termina no dia 28, pelas 21h30, com o filme italiano 'Um Dia Inesquecível', de Ettore Scola, apresentado por Francisco Louçã, para voltar a Roma de 1938, quando a cidade celebra a visita de Hitler e Mussolini.

Todas as manhãs há espaço para o Desobedoquinho, dedicado "a crianças dos 9 aos 13 anos e para quem quiser".

Com programação de Sérgio Marques e Tatiana Moutinho, o Desobedoc é uma iniciativa "feita de forma coletiva e cooperativa", tendo começado em 2014 no então encerrado Cinema Trindade para "mostrar que havia público" para as salas culturais fechadas no centro do Porto, como explicou José Soeiro.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório